• Mayla Valenti

Educação ambiental e resíduos

Atualizado: Mai 15

Uma das primeiras coisas que as pessoas relacionam com educação ambiental é o tema dos resíduos. Precisamos reconhecer que ainda é preciso evoluir bastante no que se refere ao consumo responsável e à gestão de resíduos. Por isso, instituições, educadoras e educadores têm bastante trabalho no que se refere a este tema.



#pracegover #pratodosverem Foto de uma senhora em frente a um portão e um catador recebendo caixas de papelão e outros resíduos recicláveis. Há uma moldura branca e o logo do FubáZINE em preto e branco no centro inferior da foto. O fundo da imagem é amarelo.

É importante lembrar que o dever de cuidar das questões relacionadas ao consumo e à gestão dos resíduos compete em uma responsabilidade compartilhada. Isso significa que nós precisamos rever e modificar as nossas ações, mas considerar que os governos, as empresas, as cidadãs e os cidadãos comuns não atuam da mesma forma nesse tema. Nem com o mesmo poder quanto aos resultados alcançados.


As empresas têm vários desafios nesse sentido: reduzir o desperdício em suas produções; reduzir o uso de materiais derivados do petróleo, como o plástico; buscar alternativas para substituir os materiais usados em seus produtos; pesquisar novas opções para as suas embalagens; destinar e tratar corretamente seus resíduos; implementar a logística reversa (preparar-se para receber de volta seus produtos depois de descartados e dar um destino correto a eles); diminuir ao máximo a poluição que elas geram no ambiente, e vários outros.


Os governos devem substituir os lixões por aterros sanitários bem controlados; aumentar o tempo de vida útil dos aterros sanitários; promover a coleta seletiva e a reciclagem por meio de parcerias com cooperativas; fiscalizar as empresas para que elas atendam às leis ambientais; promover a educação ambiental na escola e com a comunidade visando à redução do consumismo e incentivando um consumo mais consciente, entre outras ações que lhes competem.


E nós, como cidadãs e cidadãos, precisamos repensar os nossos estilos de vida e os hábitos de consumo; evitar o uso de descartáveis; escolher consumir produtos menos impactantes para o ambiente; levar potes e sacolas de casa quando for fazer compras, reaproveitar e/ou transformar e/ou consertar os objetos antes de descartá-los; refletir sobre como a mídia e a propaganda pode interferir negativamente nas nossas escolhas de compras e buscar minimizar essa influência; separar e descartar corretamente os nossos resíduos; fazer compostagem...


Sempre é bom lembrar que por mais que cada pessoa cuide da redução do consumo e da destinação adequada de seus resíduos, as mudanças de grande impacto só serão alcançadas quando as indústrias, as grandes empresas e os governos adotarem medidas mais sustentáveis em relação aos resíduos.


A quantidade exagerada de resíduos que nós produzimos é uma consequência do sistema econômico vigente e do estilo de vida que nós temos escolhido como sociedade. Ou o que nos é imposto. E é um problema que afeta todas as pessoas, mais umas do que outras. De alguma maneira a humanidade toda está sendo afetada.


Nós acreditamos que a educação ambiental focada no tema dos resíduos deve abordar toda essa complexidade de inter-relações. É muito fácil realizarmos ações e campanhas educativas simplistas e direcionadas apenas a mudanças de comportamentos individuais.


O nosso papel como instituições, educadoras e educadores precisa ser maior. Nós precisamos contribuir para a formação de pessoas críticas, que compreendam o problema a partir de uma visão ampla e sistêmica, para terem autonomia nas ações e mudarem suas realidades.


Nesse sentido, a busca cotidiana por sermos mais sustentáveis, mais responsáveis em relação ao nosso consumo e à destinação correta dos resíduos é contínua. Ninguém consegue se tornar 100% sustentável de um dia para o outro. Aliás, é muito difícil haver uma pessoa 100% sustentável.


Nós precisamos fazer com que essa busca pela sustentabilidade no cotidiano seja leve, prazerosa, agradável e não carregada de culpa. Antes de apontar o dedo e dizer como as pessoas deveriam se comportar, é preciso considerar que o mundo e a vida corrida do dia a dia nos empurram para atitudes menos sustentáveis, que muitas vezes são mais práticas e estão mais acessíveis.


Mas a boa notícia é que essa situação está melhorando. Cada vez mais pessoas, governos e empresas estão se preocupando com o meio ambiente e com a sua sustentabilidade ecológica. E a nossa ação cotidiana também faz parte dessa mudança.


Por isso, a nossa proposta para você é: procurar exemplos de ações mais sustentáveis relacionadas aos resíduos realizadas por empresas, governos e por pessoas comuns para conhecer possibilidades e buscar inspiração.




#pracegover #pratodosverem Foto das quatro sócias da Fubá. Elas estão sentadas em um gramado em frente a uma cerca de madeira. Elas sorriem e vestem camiseta amarela.

Se você estiver buscando uma formação em Educação Ambiental voltada para a prática, convidamos você a conhecer o nosso curso COMO?! Nós acreditamos que a sua ação pode fazer muita diferença! Clique AQUI para saber mais!

Acessibilidade: nosso site possui audiodescrição das imagens como texto alternativo ou em caixas de texto. Quando possível, incluímos janela de LIBRAS.

Conteúdo inspirador sobre teoria em prática na educação ambiental direto no seu e-mail:

Entre em contato!

contato@fubaea.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Logo do FubáZINE