• Mayla Valenti

O que são espaços educadores


Imagine que você está caminhando despretensiosamente por um bosque em sua cidade. Você se encanta pela paisagem, aproveita os sons da natureza, percebe a diferença do clima na sua pele. Seu passeio poderia terminar ali. Você voltaria para casa contente pela vivência. Agora imagine que no meio do caminho você encontre um cartaz dizendo que aquela área está em risco e que há um grupo de pessoas se mobilizando pela manutenção do bosque, indicando como contribuir. Você acha que voltaria da mesma maneira para casa? Nós achamos que provavelmente você voltaria com mais vontade de agir pela conservação daquele bosque. Este é um exemplo de como um espaço pode ampliar o seu potencial educador quando há uma intenção educativa clara.


O termo espaços educadores costuma ser bastante usado na educação ambiental. Mas nem sempre conseguimos definir o que são ou quais são as suas características. Neste FubáZINE vamos apresentar algumas ideias sobre esse conceito e indicar possíveis caminhos para transformar um lugar em um espaço educador com foco na educação ambiental.


Os espaços educadores são lugares que proporcionam experiências de educação ambiental para as pessoas que o frequentam. Essas experiências podem ser as mais variadas possíveis, desde uma trilha autoguiada, uma atividade direcionada em frente a uma composteira e até mesmo uma reunião de pessoas que estão se organizando para buscar soluções para problemas ambientais locais.


Isso não significa que a simples interação das pessoas com essas estruturas não gere aprendizado. Mas a proposta do espaço educador é aproveitar o potencial desses elementos em processos educativos. Também não significa que a proposta educativa deva ser totalmente direcionada. As pessoas podem ficar livres para interagirem com o local e seus elementos, mas esse processo precisa ser planejado, precisa ter um propósito, uma intenção educativa.

#PraCegoVer #PraTodosVerem Audiodescrição: Foto de mulheres descalças sentadas no chão. Elas estão em roda, olhando em direção aos pés descalços. No meio há uma rede azul. No centro, na parte inferior, há o logo do FubáZINE em branco e preto. Ao redor da moldura, o fundo da imagem é amarelo.

Como um lugar pode se tornar um espaço educador

Como já falamos, o primeiro passo para um espaço se tornar educador é a definição de uma intencionalidade educativa. Faz parte desse processo identificar objetivos educacionais. Ou seja, que transformações individuais e coletivas o espaço pode proporcionar para as pessoas, o que a equipe responsável gostaria de promover e quais são as demandas e interesses do público em relação ao local.


Identificar as estruturas educadoras existentes é outro aspecto importante. Que elementos já existem no lugar que possuem um potencial educador. E que mudanças no espaço são necessárias para que ele se torne coerente com os princípios da educação ambiental e da sustentabilidade.


O ideal é que as estruturas presentes proporcionem experiências transformadoras para o público, seja por meio do contato direto com a natureza não humana, por mostrar alternativas possíveis para uma vida mais sustentável, ou por proporcionar espaços de diálogo, reflexão e ação pela conservação ambiental. Por isso, buscar coerência entre os princípios da educação ambiental e da sustentabilidade no espaço é um caminho interessante.


Por exemplo, alterar a disposição das cadeiras de uma sala de modo que favoreça o diálogo pode ser uma mudança necessária. Ou implantar tecnologias sustentáveis relacionadas à gestão de resíduos, uso e tratamento da água, uso de energia e até de novas construções. Essas ações agregam harmonia à experiência que as pessoas terão no espaço, geram conteúdos educativos e inspiram as pessoas a buscarem alternativas em suas atividades cotidianas.


Algumas dessas mudanças podem ser muito simples. Outras requerem investimento de recursos financeiros que nem sempre estão disponíveis. Por isso, as adaptações do espaço podem ocorrer devagar, à medida que sejam viáveis. O importante é que a equipe responsável tenha esse horizonte em mente. Quando uma nova sala for construída, seria possível usar técnicas de bioconstrução? Ao fazer uma compra de materiais, seria possível optar por alternativas mais sustentáveis?


Além das estruturas, é importante considerar a coerência nos processos educativos. O espaço educador geralmente é um lugar encantador, repleto de elementos para serem descobertos, muitas vezes ao ar livre. É importante considerar essa vocação do espaço para preparar atividades que aproveitem todo esse potencial ao invés de focar em atividades tradicionais, que poderiam ser feitas em qualquer outro lugar.


Espaços educadores podem ser trilhas, zoológicos, escolas, barracões de coleta seletiva, aterros sanitários, estações de tratamento de água e esgoto, praças, micro bacias, sítios, ou qualquer outro lugar onde os elementos se combinam a processos educativos para promover a sustentabilidade. O cuidado com a qualidade e a coerência das estruturas físicas e das atividades educativas será refletido no seu potencial transformador.


Por isso, nossa proposta para você é: analisar o espaço onde você atua, identificar suas potencialidades educadoras e possibilidades de mudanças para ampliar as transformações que você pode promover a partir da educação ambiental.

Acessibilidade: nosso site possui audiodescrição das imagens como texto alternativo ou em caixas de texto. Quando possível, incluímos janela de LIBRAS.

Conteúdo inspirador sobre teoria em prática na educação ambiental direto no seu e-mail:

Entre em contato!

contato@fubaea.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Logo do FubáZINE