Conteúdo inspirador sobre teoria em prática na educação ambiental direto no seu e-mail:

Entre em contato!

contato@fubaea.com.br

Acessibilidade: nosso site possui audiodescrição das imagens como texto alternativo ou em caixas de texto. Quando possível, incluímos janela de LIBRAS.

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Logo do FubáZINE
  • Mayla Valenti

Você gostaria de trabalhar com Educação Ambiental?



Olá, tudo bem? Se você se identifica com a área ambiental, é provável que já tenha cogitado atuar como educadora ou como educador ambiental. E talvez algumas dessas perguntas passem pela sua cabeça: - Onde pode trabalhar uma educadora ou educador ambiental? - Qual a formação necessária? - Qual é o perfil das pessoas que trabalham na área? - O quanto a profissão é valorizada? Responder a essas perguntas é uma tarefa desafiadora justamente por uma características mais belas da Educação Ambiental: a diversidade! Apesar de parecer uma parte muito específica da área ambiental, na verdade a educação ambiental é um mundo de possibilidades! Primeiro, porque cada um e cada uma de nós podemos atuar como educadoras(es) ambientais sem necessariamente sermos profissionais da área. Somos as(os) chamadas(os) educadoras(es) ambientais populares: pessoas que inspiram, ensinam e aprendem com a sua comunidade sobre formas de pensar e agir por um mundo mais justo e sustentável. Segundo, porque mesmo atuando profissionalmente, os contextos, formações e práticas são muito variados!


As educadoras e educadores podem atuar no setor público em secretarias de meio ambiente e educação, em órgãos de gestão ambiental, nas escolas, nas unidades de conservação, em universidades, em projetos sociais, zoológicos, museus, centros de ciências... No setor privado, é possível atuar em indústrias, em empresas na área da cultura e da educação, em consultorias ambientais, ou até como empreendedoras(es), como nós da Fubá! E ainda tem o terceiro setor, com as ONGs, OSCIPs, Institutos e Associações que também são responsáveis por muitos projetos de educação ambiental. Por ser uma área multi e transdisciplinar, não é necessário uma formação específica. Biólogas(os) e pedagogas(os) talvez sejam as formações predominantes entre as(os) educadoras(es) ambientais. Mas há também profissionais formados em geografia, gestão ou engenharia ambiental, técnico em meio ambiente, agronomia, turismo, educação física, ciências sociais, biblioteconomia, psicologia, jornalismo, direito, entre vários outros cursos. Na verdade, a formação no ensino superior não é obrigatória, mas é sempre valorizada no mercado de trabalho. Ou seja, a educação ambiental acolhe diversas formações profissionais, o que traz uma riqueza enorme para o nosso campo. Contudo, traz também uma preocupação com a qualidade do trabalho. Isso porque a Educação Ambiental nos exige muitos conhecimentos em áreas bem diferentes umas das outras. Para nós, da Fubá, abranger inúmeras possibilidades não significa que a Educação Ambiental pode ser qualquer coisa. Afinal, nós, educadoras e educadores ambientais somos movidas(os) por um objetivo maior: o de transformar o mundo! Talvez essa seja a principal característica que nos une! E como essa não é uma tarefa fácil, não é fazendo "qualquer coisa" que alcançaremos esse objetivo. Precisamos de uma formação consistente, ampla, crítica, aberta ao novo, ao diálogo e aos diferentes saberes para que possamos construir esse mundo diferente, sustentável e justo para todos os seres. É por isso mesmo que a valorização profissional das pessoas que atuam na educação ambiental precisa ser parte da nossa luta. Cada vez mais a sustentabilidade e a conservação ambiental fazem parte das agendas de governos, ONGs e empresas e essa tendência é crescente. Precisamos ocupar esses espaços para unir cada vez mais pessoas nesse movimento. Que tal, vamos juntas(os)?

Alguns exemplos concretos...

A Fubá na comemoração ao dia das(os) bibliotecárias(os) em São Carlos Exemplificando o que acabamos de falar, na semana passada a Fubá realizou uma oficina ambiental criativa com o grupo de bibliotecárias(os) do município de São Carlos. A oficina apresentou os origamis como uma ferramenta para trabalhar a conservação da fauna brasileira. As(os) bibliotecárias(os) poderão reproduzir e recriar a oficina em suas escolas, mostrando que a educação ambiental também faz parte da sua atuação profissional.


A Fubá no 1º Encontro do Meio Ambiente de São Carlos - vivências e discussões ambientais no SENAC São Carlos (SP) E ainda nesta semana, participamos do 1º Encontro de Meio Ambiente de São Carlos, promovido pelo SENAC. Lá nós mostramos algumas formas de atuação em Educação Ambiental para quem está interessada(o) em fazer o curso de Técnico em Meio Ambiente.


#Participação #FormaçãoemEducaçãoAmbiental #OficinaAmbientalCriativa #EducaçãoAmbiental #TrabalhocomEducaçãoAmbiental