• Mayla Valenti

Diálogo, curiosidade e perguntas de verdade!



Olá! Hoje o papo é mais com as pessoas que trabalham com interações educativas... mas pensando bem, no fundo todas(os) nós interagimos, ensinamos e aprendemos o tempo todo! Então, o papo é com todo mundo! Aqui na Fubá a gente acredita que o diálogo é fonte inesgotável de conhecimento. De uma forma bem simples e direta, dialogar é aprender com quem pensa diferente. Então, o diálogo tem a ver com falar, com se posicionar sobre algum tema, mas tem muito a ver também com ouvir e com aprender com o outro. Se a gente pensar bem, vamos ver que o ensino sempre parte da curiosidade. E a curiosidade é, no fundo, uma pergunta. Infelizmente, em muitos lugares o ensino ainda é mais resposta do que pergunta. As repostas são apresentadas sem mesmo as perguntas serem formuladas! Então, aprender a perguntar faz parte de um ensino democrático, pois é a partir da pergunta, da curiosidade que somos capazes de refletir e de criticar a nossa realidade e propor soluções para sua transformação. Talvez você esteja se perguntando: mas o que seria uma pergunta de verdade? Para nós, as perguntas de verdade partem de um principio muito simples: elas têm origem na curiosidade REAL das(os) educadoras(es). Ou seja, para fazer uma pergunta de verdade, pergunte o que você realmente deseja saber e não apenas com o intuito de parecerdemocrática(o), ou aberta(o). Para perguntar de verdade você precisa de fato reconhecer que todas as pessoas têm algo para ensinar e realmente estar disposta(o) a aprender com elas. Aqui estão alguns exemplos de perguntas feitas de uma forma não dialógica, pois é muito provável que a(o) educador(a) já saiba as respostas. Então, não são perguntas de verdade:


E aqui temos perguntas muito parecidas, mas que a(o) educador(a) dificilmente sabe as respostas. Ele pode aprender e direcionar a prática educativa a partir delas:


Vejam que a diferença entre as perguntas é bem pequena, mas elas refletem a postura da(o) educador(a). No primeiro exemplo, há inclusive um incentivo a competição. É provável que as pessoas se vangloriem por ter acertado a resposta ou debochem de quem errou. Ou ainda é possível que alguém se sinta constrangido de ternar responder, porque não sabe a resposta correta. Já no segundo exemplo, não há esse risco porque a pessoa tem pleno acesso à resposta correta! Não há medo de errar, porque não há erro! Então, agora, perguntamos verdadeiramente para você: quais são as SUAS perguntas de verdade? O que você realmente quer saber sobre as pessoas com as quais interage? O que quer saber a respeito das ideias dessas pessoas sobre determinado tema? Fazer uma lista com as suas perguntas de verdade pode te ajudar a reestruturar sua prática educativa e torná-la cada vez mais dialógica. E, se puder, depois conta pra gente como foi! :-)

______________

O texto aí de cima foi baseado em muitas de nossas experiências e também em dois livros muito bacanas que a gente indica a leitura para quem quiser saber e refletir mais sobre o assunto: Por uma pedagogia da pergunta, de Paulo Freire e Antonio Faundez. Editado no Rio de Janeiro pela Paz e Terra. Comunidades de aprendizagem: outra escola é possível, de Roseli Mello, Fabiana Braga e Vanessa Gabassa. Editado em São Carlos pela Edufscar.

#EducaçãoAmbiental #PesquisaemEducaçãoAmbiental #Comunicaçãodialógica

Acessibilidade: nosso site possui audiodescrição das imagens como texto alternativo ou em caixas de texto. Quando possível, incluímos janela de LIBRAS.

Conteúdo inspirador sobre teoria em prática na educação ambiental direto no seu e-mail:

Entre em contato!

contato@fubaea.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Logo do FubáZINE